%TEMPO%
Curta no Facebook:
Colunistas
Coluna
A Forma da Água: vencedor do Oscar/18 traz inusitada história de amor
Com 13 indicações, filme de Guillermo del Toro recebeu 4 estatuetas (filme, diretor, direção de arte e trilha sonora), se passada nos anos 1960 e fala da paixão de uma mulher muda por um homem anfíbio
22/03/2018

Foto: divulgação

Na 90ª edição da entrega do Oscar — premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas/EUA —, realizada no último dia 04 de março, o diretor mexicano Guillermo del Toro foi o grande vencedor; das 13 indicações, seu filme, A Forma da Água, recebeu quatro estatuetas, a de melhor filme, melhor diretor, melhor direção de arte e a de melhor trilha sonora para Alexandre Desplat.  
 A trama é uma fábula romântica, em que a faxineira Elisa, interpretada por Sally Hawkins, é muda e trabalha num centro secreto de pesquisas espaciais, que dentre seus trabalhos há o estudo com um homem anfíbio chamado Forma, vivido por Doug Jones. Mesmo sendo tratado como um monstro pelos responsáveis do laboratório, o homem peixe logo de cara se afeiçoa com a faxineira, que fará de tudo para mantê-lo vivo.

A trama se passa na década de 1960, período auge da Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética. Além dos cientistas, o frustrado oficial do governo norte-americano, Richard Strickland, interpretado por Michael Shannon, se incumbe na estranha criatura vinda dos rios amazônicos. Richard, de forma truculenta, quer descobrir os mistérios que envolvem o anfíbio, que o agride decepando dois dedos de sua mão. No entanto, Elisa, talvez por se sentir rejeitada devido a sua deficiência, é a única que consegue interagir com o homem peixe. Em pouco tempo, os dois rompem as barreiras físicas e estabelecem uma afetuosa relação.

Ao saber de um plano arquitetado por militares, com a cumplicidade de Richard, que visa destruir o anfíbio, Elisa com a ajuda de Zelda (Octavia Spenser ), sua companheira de trabalho, e de seu vizinho e amigo Giles (Richard Jenkins), armam um verdadeiro complô para salvar o Forma. Tanto o resgate como a tentativa de transportá-lo para um canal que o levará para o mar transformam a trama num verdadeiro filme de ação e suspense.

Tendo como pano de fundo as disputas entre russos e americanos, esta fábula romântica de del Toro agradou aos membros da Academia também por tocar em temas atuais e progressistas, como a inclusão social a deficientes, negros (Zelda) e gays (Giles) e a própria mulher, já que a faxineira é que lidera a ação e enfrenta os poderosos.
Com uma rica e minuciosa reconstituição de época, o filme se destaca também pelo tom lírico e mágico, tanto no prólogo como nos sonhos de Elisa e, principalmente, nas cenas finais. Vale muito a pena conferir!

 

Acesse meu blog: www.favodomellone.com.br

Últimas Postagens
Guia Comercial
Selecione abaixo e encontre tudo o que precisar:
Colunistas
  • Claudia Hallgren
    Psicóloga, sexóloga, Instrutora de Yoga e palestrante atualmente desenvolve o projeto Dança terapia e atendimentos clínicos em Cpo Lpo Pta e ...
  • Alexandre Roccar
    Assessor de imprensa há 15 anos, formado em Marketing, especializado em Marketing Político, Coordenador de várias campanhas eleitorais. Autor dos ...
  • Maurício Mellone
    Jornalista formado pela PUC-SP, tem mais de 30 anos de experiência e já atuou em revistas, jornais, TV, rádio e assessoria de imprensa. Hoje é ...
  • Luiz Carlos Zeferino
    Designer, Ilustrador e Empreendedor . Cursou Publicidade e Games na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Atualmente é ...
  • João Justino
    João Justino Leite Filho: Diretor/Ator; Escritor da Editora IBEP-Nacional desde 1986; Autor da música "Canto de Amor", editada no livro didático ...
  • Jennifer Oliveira
    Curiosa no campo de gastronomia, seguindo criando e reinventando receitas. Apaixonada por tudo que remete ao mundo culinário. Desta paixão surgiu o ...
Atendimento
  • Segunda a Sexta de 09:00 as 18:00hs
  • Telefone: (11) 4812 - 3768
  • E-mail: info@campolimponet.com.br
  • Skype:
Redes Sociais
  • Siga-nos e compartilhe